Comer e não engordar é uma questão de genética, diz estudo

Conhece alguém que come, come, come e não engorda? Agora você pode ter certeza que não existe nenhum truque para isso. Comer e não engordar é uma questão de genética.

Uma nova pesquisa, publicada na revista PLOS Genetics, buscou a “arquitetura genética” de pessoas muito magras e com obesidade severa no “maior estudo do gênero até hoje”. Suas descobertas destacam várias novas variantes genéticas que são amplamente associadas à obesidade severa e outras ligadas à “magreza saudável”. Isso pode ajudar a explicar por que algumas pessoas acham mais fácil permanecer magras do que outras.

A maior parte dos fatores relacionados à obesidade são externos, como dietas calórica ou estilo de vida sedentário. No entanto, como este estudo mostra, a genética também pode ser um fator decisivo.

Os benefícios dos exercícios que vão além da perda de peso

“Esta pesquisa mostra pela primeira vez que pessoas saudáveis ​​e magras são geralmente magras porque têm uma menor carga de genes que aumentam as chances de uma pessoa estar acima do peso”, explica o professor Sadaf Farooqi em comunicado. “É fácil apressar o julgamento e criticar as pessoas pelo seu peso. Mas a ciência mostra que as coisas são muito mais complexas. Temos muito menos controle sobre nosso peso do que poderíamos pensar.”

Comer e não engordar é uma questão de genética

Segundo informações do IFLScience!, pesquisadores da University of Cambridge, no Reino Unido, analisaram o DNA de cerca de 14.000 pessoas. Desse total, 1.622 pessoas eram magras, 1.985 gravemente obesas e 10.433 tinham um índice de massa corporal médio. Depois de identificar os genes que pareciam estar ligados a pessoas magras, eles elaboraram uma pontuação de risco genético para cada pessoa.

“Conforme antecipado, descobrimos que pessoas obesas tinham um risco genético maior do que pessoas com peso normal. O que contribui para o risco de excesso de peso. Os dados genéticos estão contra eles ”, acrescentou a pesquisadora Inês Barroso, do Instituto Wellcome Sanger.

Ainda não está claro como essas variantes genéticas podem determinar o ganho de peso, embora vários estudos anteriores tenham sugerido que é uma questão de metabolismo.

Como definir e atingir metas para perder peso – e evitar frustações

A obesidade é um problema crescente em muitas partes do mundo. Mais de 93 milhões de pessoas, quase 40% da população, nos EUA são classificadas como obesas. No Reino Unido, esse número é de cerca de um em quatro. Os pesquisadores esperam que o estudo ajude a entender melhor a epidemia de obesidade e a ajustar algumas novas estratégias de perda de peso.

“Se pudermos encontrar os genes que os impedem de engordar, poderemos direcionar esses genes para encontrar novas estratégias de perda de peso e ajudar as pessoas que não têm essa vantagem”, concluiu Farooqi.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here